Livro dos Espíritos está na trama do novo livro de Jostein Gaarder - Castelo nos Pirineus

Jostein Gaarder, escritor norueguês, autor do livro O Mundo de Sofia, estará na Bienal para lançar O Castelo nos Pirineus (Companhia das Letras, tradução de Luiz Antônio de Araújo). O romance de cunho filosófico mostra o reencontro de Steinn e Solrunn, que viveram intensa paixão nos anos 1970 e hoje cada um segue uma crença – ele climatologista, só valoriza a razão e Solrunn tornou-se religiosa, acreditando na transcendência do espírito. Gaarder diz que “a mente não é mais importante que o corpo”, e continua afirmando que “com certeza o amor caminha paralelo ao ocultismo no romance, mas não acredito em histórias que brotam espontaneamente: é como uma amizade, que se constrói, que se molda com o passar do tempo”.

Confira o que disse Gaarder em entrevista à Ubiratam Brasil (O Estado de São Paulo de 13/08/2010).

Terminada a leitura de O Castelo nos Pirineus, é possível concluir que você acredita em histórias de amor?
Sim, com certeza, o amor caminha paralelo ao ocultismo no romance. Mas devo acrescentar que não acredito em histórias amorosas que brotam espontaneamente: é como uma amizade, que se constrói, que se molda com o passar do tempo. Tomo a relação com minha mulher como exemplo, pois nos conhecemos jovens (eu tinha 19 anos) e, desde então, vivemos juntos. Talvez por isso eu acredite em histórias de amor.

Também a lembrança é um tema recorrente, não?
Sim, e como somos traídos e também como traímos nossas lembranças, criando fatos (propositalmente ou não) que não correspondem com o que foi realidade. É algo semelhante a um interrogatório policial - mesmo que a testemunha narre com exatidão, os homens da lei sempre desconfiam do depoimento. É o que mostro no romance, com dois personagens tão distintos: enquanto Steinn é racional, Solrunn é uma mulher que acredita na transcendência, daí as lembranças de cada um serem tão distintas, apesar de tratarem do mesmo assunto. A trama está relacionada com um livro que, acredito, é muito conhecido no Brasil, O Livro dos Espíritos...


Sim, de Alan Kardec.
Esse mesmo. Uma obra publicada na França no século 19 e que, pelo que sei, ainda provoca (fala em português) "revelações espíritas" em seu país, certo? É por isso que acredito que meu romance será bem compreendido pelos brasileiros. Na Noruega, esse tipo de crença vem aumentando, com novas fronteiras entre ciência e fé. A religião torna-se cada vez mais viva.

Filosofia e ciência têm se tornado mais popular?
Com certeza. Continuo espantado com o sucesso de O Mundo de Sofia, já traduzido para 55 idiomas. Eu não tinha noção de como minhas preocupações tocavam tantas pessoas. O mistério continua interessando e é por isso que entendo Solrunn, minha personagem, e suas certezas sobre a existência de uma vida em outra dimensão.

Por falar em O Mundo de Sofia, o livro tornou-se um divisor em sua carreira. Escrever tornou-se mais difícil depois de tanto sucesso?
Na verdade, não, porque meu maior desafio já havia sido vencido, que foi publicar O Dia do Curinga, em 1989. Ganhei um importante prêmio norueguês e me provocou a necessidade de apresentar algo sobre filosofia que fosse mais acessível aos jovens. Dois anos depois, surgiu O Mundo de Sofia e a consagração mundial, que eu não esperava. Aliás, nem meu editor norueguês, que vacilou antes de publicar o livro (risos). Por isso que considero os dois títulos igualmente decisivos. Foram dois momentos em que percebi a importância conferida pelos leitores à filosofia, considerada importante, mas de difícil acesso. Era preciso estabelecer uma ponte.
Ainda sobre O Castelo nos Pirineus, é interessante o uso da tecnologia, com os dois personagens se reencontrando por e-mail e reacendendo o que se perdeu ao longo dos anos.
O romance utiliza uma estrutura antiga, que é o amor epistolar, mas adaptado às novas tecnologias. O resultado foi um incremento na velocidade da relação, pois hoje é possível manter uma troca de mensagens em poucos minutos e não mais em dias, como antigamente.

Se você escrevesse O Mundo de Sofia hoje, as questões da menina seriam diferentes?
Muitas seriam as mesmas, mas certamente eu incluiria o debate sobre como manter a vida sustentável em nosso planeta. As questões ecológicas e climáticas teriam mais importância.


Fonte: Jornalismo RBN



A+ | A- | Notícia Anterior | Posterior

Datas Importantes do Espiritismo

JULHO

Dia 02 de 1877
Nasce em Coimbra, Portugal, Antônio Joaquim Freire, Presidente da Federação Espírita Portuguesa. Desencarna em 1948, no dia 2 de março, em Lisboa, Portugal.
Dia 02 de 2006
Em Curitiba, Paraná, no Canal 6 - CNT e em Londrina, Paraná, no Canal 7 - Londrina, Paraná, estreou o Programa Televisivo Vida e Valores, com 15 minutos de duração.
Dia 04 de 1336
Em Estremoz, Portugal, desencarna a Rainha de Portugal Santa Isabel, conhecida por sua dedicação à caridade. Nascida em Espanha, em 1271.
Dia 04 de 1814
No México, nasce o General Refugio I Gonzáles, tradutor das obras de Allan Kardec para o espanhol, dirigindo por mais de 10 anos a Revista Ilustración Espírita. Desencarna em Acapulco, México, em 16 de agosto de 1892.
Dia 04 de 1948
Desencarna, em Taubaté, SP, José Bento Monteiro Lobato. Nascido, na mesma cidade, em 18 de abril de 1882.
Dia 04 de 1966
É criado, no Brasil, o Dia da Caridade, pela Lei 5063.
Dia 05 de 1849
Em Embleton, Inglaterra, nasce o jornalista, editor e médium William Thomas Stead. Desencarna no mar, no Atlântico Norte, em 15 de abril de 1912.
Dia 05 de 1875
Nasce, em Bristol, Inglaterra, Ernest W. Oaten, pioneiro espírita, companheiro de Conan Doyle. Desencarnado na mesma cidade... Saiba mais...