Questão Moderna

    Os quatros mensageiros da Esfera Superior, antes da vinda à Terra em missão educadora e reconfortativa, ouviram claramente as palavras do sábio orientador que os dirigia:

    - Filhos, guardareis em tudo e com todos a nobreza de nossos princípios.

    Onde estiverdes, habilitai-vos a falar com segurança e a estender mãos limpas, a fim de ajudar.

    Defendei a simplicidade e a pureza da doutrina renovadora de que sois emissários. Não a maculeis com inovações que se lhe façam incompatíveis com a essência de luz! Não mistureis o joio com o trigo, nem a mentira com a verdade...

    Em todas as circunstâncias, recordai que sois enviados a servir!...

    A diminuta caravana partiu de luminoso caminho no rumo da Terra e, em ponto determinado, os quatro componentes se separaram com a promessa de reencontro, no mesmo sítio, vinte meses depois.

    Findo esse tempo, ei-los de retorno para o entendimento afetivo.

    Vinham, no entanto, fatigados, desiludidos...

    O primeiro falou:
    - Estou cansado de lutar. A comunidade a que me coube prestar concurso é constituída por classes que se tiranizam entre sí. O orgulho arrasa-lhes a força moral e os preconceitos de raça consomem-lhes as melhores aspirações de raça e as melhores aspirações de fraternidade. Nada pude fazer. Sem dúvida, acreditam no Cristo e reverenciam-lhe o Evangelho; contudo, em vista do que exponho, não creio possam receber a nossa cooperação e guardar nobreza de princípios.

    Disse o segundo:
    - Onde estive, encontrei somente a paixão pela fortuna terrestre. As criaturas aceitam a Doutrina Cristã e falam nela, respectivamente, uma vez por semana; entretanto, imobilizam a mente em questões de dinheiro... Trabalham, sofrem e desencarnam quase que unicamente por isso... Volto desalentado porque não admito consigam, assim, amar a Deus e a Humanidade, levantando mãos limpas...

    Explicou-se o terceiro:
    - Vi apenas religiosos fanáticos por onde passei. Vaidosos das letras que entesouraram, acreditam nas Divinas Escrituras, mas formam grupos de intolerâncias entre si e combatem qualquer pessoa que não interprete os ensinamentos do Senhor à maneira deles...
    Desisti de ajudá-los, de vez que não os suponho capazes de mostrar coração humilde e simples na Obra do Mestre!...

    Por fim, queixou-se o último:
    - Não trago também outra coisa que não seja amargura e desencanto. Nas regiões que visitei, pude tomar contacto com milhares de irmãos que veneram Jesus, mas em meio de entidades menos evolvidas, cuja visão não vai além de vantagens e gratificações da existência material. Essas pessoas, segundo deduzi, não aspiram a outra atividade espiritual que não seja o intercâmbio mediúnico em bases de interesse rasteiro e misticismo primitivista. Não compreendo como conseguiram aceitar-nos a colaboração, sem fazer inovações desaconselháveis, na seara do Cristo de Deus.

    Mesclando lamentação e censura, entraram em prece, apelando para o discernimento do mentor que os despachara, e, depois de alguns minutos, o experiente amigo se fêz visível, considerando, após ouví-los:

    - Meus filhos, viestes cooperar no trabalho urgente do Evangelho ou sois partes do problema de Jesus? Devemos guardar nobreza de princípios, movimentar mãos limpas, conservar simplicidade e evitar incoveniências na construção do Reino do Senhor, mas, sem dúvida, instruindo os nossos companheiros da Humanidade para que façam o mesmo, através de paciência, esforço, boa palavra e exemplo edificante. Que dizer do médico decidido a fugir do enfermo que lhe espera os cuidados, sob a desculpa de que o irmão necessitado é portador de doença? Saberemos nós algo de útil sem que alguém nos haja ensinado? A evangelização é empresa de amor. Como reclamar virtudes alheias sem ajudar a levantá-las? Onde nos será possível encontrar aperfeiçoamento e renovação sem que nos disponhamos a servir? E não será para servir melhor que o Senhor nos auxilia e nos induz a melhor conhecer? Retomemos as nossas obrigações e sejamos fiéis!...

    Calou-se o orientador e, percebendo que ele se aprestava a partir, de regresso à Espiritualidade Maior, um dos terefeiros inquiriu, aflitivamente:
    - Generoso amigo, uma palavra a mais!... Sintetizai para nós alguma derradeira advertência que nos possa manter o raciocínio claro na ação justa!... Socorrei-nos!... Deixai-nos um conselho, uma frase que nos sirva de luz na hora da indecisão!...

    O mentor fixou, de maneira expressiva, a reduzida assembléia e concluiu:
    - Ah! meus filhos!... meus filhos!... Somos chamados a desenvolver a sementeira e a colheita do Evangelho, onde a sementeira e a colheita do Evangelho se encontrem!... Em verdade, pouco podeis contra a escuridão do materialismo, quando a escuridão do materialismo animaliza as criaturas... Estejamos, porém, convencidos de que, onde esse ou aquele grupo humano demonstre sinceridade e boa consciência, qualquer serviço por Jesus e em nome de Jesus será sempre melhor do que nada.


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens