A Prece

    No aperfeiçoar-se, no renovar-se, o homem se modifica, supera as circunstâncias que o limitam, vence-as e as transforma a seu favor.
    A prece eficiente é aquela em que os pensamentos e a vibração se elevam ao mais alto grau que possamos atingir, porque, externando os melhores pensamentos e os melhores sentimentos, nos pomos em sintonia com os da mesma natureza, nos colocamos em comunicação com aqueles que têm a incumbência de nos orientar e conduzir, criando para nós as melhores influências. É aquela dirigida para o Criador, aceitando as suas leis ou vontade, a dirigida em benefício do próximo, dos necessitados de toda espécie: doentes, pobres, dementes, reclusos, da infância e da velhice abandonadas.
    Diz Emmanuel: “Através da prece o homem pensa que muda as circunstâncias, enquanto ele apenas muda a si próprio, porque é através da transformação de si próprio que o homem modifica as situações.”
    Também André Luiz, no livro Nos Domínios da Mediunidade, Cap. XX, repete o mesmo quando fixa a observância de Aulus a respeito de uma prece feita por uma entidade em favor de outras, que se envolviam em determinada situação. Diz ele:
    “Encontramos aqui precioso ensinamento da oração. Anésia mobilizando-a, não conseguiu modificar os fatos em si, mas logrou modificar a si mesma. As dificuldades presentes não se alteraram. Jovino continua em perigo, a casa prossegue ameaçada em seus alicerces morais, a velhinha aproxima-se da morte, entretanto nossa irmã recolheu expressivo coeficiente de energias para aceitar as provas que lhe cabem, vencendo-as com paciência e valor. E um espírito transformado, naturalmente, transforma as situações.”
    Em outra passagem Emmanuel explica: “A medida em que orava, funda modificação se lhe imprimia no mundo interior. Os dardos de tristeza, que lhe dilaceravam a alma, desapareceram ante os raios de branda luz a se lhe exteriorizarem do coração.”
    A prece deve externar nossa conformação perante as leis de Deus, nossos melhores sentimentos e pensamentos: isso que Jesus ensina no Pai Nosso. E é na compreensão desta verdade que S. Francisco estrutura sua inconfundível prece:

    Fazei, Senhor, de cada um de nós, um instrumento de vossa paz;

    Que onde haja ofensa, derramemos o perdão;

    Onde haja discórdia, consigamos união;

    Onde haja dúvida, acendamos a certeza;

    Onde haja erro, anunciemos a verdade;

    Onde haja desespero, semeemos a esperança;

    Onde haja a tristeza, conduzamos alegria;

    Onde haja trevas, difundamos claridade.

    Mestre bem amado, não procuremos ser consolados, mas procuremos consolar;

    Não busquemos ser compreendidos, mas busquemos compreender;

    Não desejemos ser amados, mas desejemos amar;

    Porque é dando que recebemos; é esquecendo-nos, que nos encontramos;

    É perdoando, que somos perdoados;

    É morrendo, que ressuscitamos para a vida eterna.

    Realizar para a produção do bem comum, desenvolver na prece o melhor de nós mesmos, eis as forças que nos favorecem o engrandecimento. Por isso, Emmanuel assim nos exorta:
    Clareia para que te clareiem.
    Auxilia para que te auxiliem.
    Estuda, servindo, para que o cérebro, hipertrofiado, não te resseque o coração distraído.
    Indaga, edificando, para que a inércia te não confunda.
    Fortalece o bem, para que o bem te encoraje.
    Compreende a luta do próximo, a fim de que o próximo te entenda igualmente a luta.
    Lembra-te, pois, da eficácia da prece e ora, fazendo o melhor, para que o melhor se te faça, sem te esqueceres jamais de que toda rogativa alcança resposta segundo o nosso justo merecimento.


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior

    Acesse todas as Mensagens