O acolhimento ao Espírito reencarnante é uma das principais atitudes para um desenvolvimento saudável

A chegada de um bebê exige uma série de planejamentos. Infelizmente, talvez por falta de informação, a grande maioria dos casais acredita que as principais necessidades de uma criança sejam de caráter material: alimentação, educação, roupas, plano de saúde, entre outras. Apesar de importantes, essas não devem ser primordiais. Ao nos envolvermos demasiadamente nas atividades e compromissos do dia-a-dia, somos muitas vezes impulsionados a nos preocupar com o ter, deixando de lado o que realmente importa: ser.

Muitos pais, alegando compromissos profissionais, transferem o papel de educador para a escola. Com relação a isso, Chico Xavier (1) nos chama a atenção: “(...) Impossível delegar aos professores todos os problemas da formação espiritual de uma criança. A tarefa dos pais e das mães é uma tarefa grande demais para ser esquecida.”

Outros assumem essa postura por acreditarem não possuir conhecimentos apropriados. Sobre isso, Joanna de Ângelis (2) ressalta: “Os deveres dos pais em relação aos filhos estão inscritos na consciência. (...) Examina a tua vida e dela retira as experiências com que possas brindar tua prole.”

Em O Evangelho Segundo o Espiritismo (3), Santo Agostinho nos ensina: “Compreendei que, quando gerais um corpo, a alma que se encarna vem do espaço para progredir. Tomai conhecimento dos vossos deveres, e ponde todo o vosso amor em aproximar essa alma de Deus; é essa a missão que vos está confiada.”

O espírito que recebemos em nosso lar traz em sua essência todas as inclinações, boas e más, que adquiriu em experiências anteriores. Cabe a nós orientá-lo, dando-lhe diretrizes que o auxiliem a não reincidir nas mesmas falhas. Em Mecanismos da Mediunidade (4), lemos: “(...) o Espírito reencarnado, no período infantil, recolhe dos pais os mapas de inclinação e conduta que lhe nortearão a existência (...)”

Ao educarmos uma criança é importante evitar a discordância entre nossos atos e palavras. Sabiamente, Chico (5) nos explica: “O exemplo há de começar em casa; a demonstração há de iniciar-se pelo pensamento, pela palavra, pela atitude, pela vivência.”

No auxílio para educação das crianças, temos valorosas ferramentas como as lições da Pedagogia e da Psicologia. Porém, é no Evangelho de Jesus que encontramos as principais diretrizes para a sua orientação moral.

Joanna de Ângelis, no livro Leis Morais da Vida (2), procura nos orientar sobre a maneira com que devemos abordar o assunto: “Fala-lhe de Deus sem cessar e ilumina-lhe a consciência com a flama da fé rutilante, que lhe deve lucidar no íntimo como farol de bênçãos (...)” Oportunamente, ao abordar esse assunto, nos chama a atenção para o Amor que devemos aplicar no processo educativo e que ultimamente acaba deixado de lado: “No compromisso do amor, estão evidentes o companheirismo, o diálogo franco, a solidariedade, a indulgência e a energia moral de que necessitam os filhos, no longo processo da aquisição dos valores éticos, espirituais e sociais.”

A Doutrina Espírita nos fornece, na prática do Evangelho no Lar, importante instrumento educador. Ao buscarmos trazer os ensinamentos de Jesus para dentro de nossa casa, permitimos que ela seja um ambiente acolhedor e de grandes aprendizados. Porém, Chico (6) nos lembra que tal prática não é um privilégio espírita e, sim, um dever dos pais, que buscam orientar adequadamente seus filhos: “É imperioso que os filhos se desenvolvam na paz do ambiente cristão. Para isso, é necessário que o culto do Evangelho no lar seja um prolongamento das nossas atividades nos templos que nos representam a fé.”

Podemos compreender que, ao pensarmos em acolher uma criança sob nosso teto, devemos, como passo inicial, encher nossos corações com ensinamentos de Jesus. Assim, Sua Moral será sempre a luz que guiará nossa família pelos caminhos da vida.



Referências bibliográficas
(1) O Evangelho de Chico Xavier – Carlos A. Baccelli – Item 68, pág. 47
(2) Leis Morais da Vida – Divaldo Franco – pelo espírito Joanna de Ângelis – Cap. 16, págs. 78 e 79
(3) O Evangelho Segundo o Espiritismo – Allan Kardec – Cap. XIV, Item 9, pág. 201
(4) Mecanismos da Mediunidade – Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira – pelo espírito André Luiz – Cap. 16, pág. 128
(5) O Evangelho de Chico Xavier – Carlos A. Baccelli – Item 74, pág. 52
(6) O Evangelho de Chico Xavier – Carlos A. Baccelli – Item 73, pág. 51 


Dra. Cristiane Ribeiro Assis (AME-SP) é ginecologista e obstetra, com especialização em Medicina Fetal - matéria publicada na Folha Espírita em fevereiro de 2006.



A+ | A- | Notícia Anterior | Posterior

Datas Importantes do Espiritismo

FEVEREIRO

Dia 01 de 1834
Nasce Francisco Leite de Bittencourt Sampaio, em Laranjeiras, Sergipe. Desencarna no Rio de Janeiro, RJ, a 10 de outubro de 1895
Dia 01 de 1841
Nasce em Buffalo, EUA, o médium de efeitos físicos William Henry Davenport
Dia 01 de 1856
Nasce Anália Emília Franco, em Resende, RJ. Desencarna a 20 de janeiro de 1919, em São Paulo, SP.
Dia 01 de 1905
Nasce em Pacatuba, Ceará, Francisco Peixoto Lins, o Peixotinho, notável médium de efeitos físicos. Conhecido, especialmente, pelas materializações luminosas.
Dia 02 de 1882
Nasce Romeu do Amaral Camargo, na cidade de Rio Claro, SP. Desencarna a 10 de dezembro de 1948.
Dia 02 de 1985
Em Araras, SP, desencarna Genny Villas Boas Mercatelli, fundadora do Hospital Psiquiátrico Antônio Luiz Sayão. Nascida em Santa Rita do Passa Quatro, SP, em 10 de fevereiro de 1911.
Dia 02 de 1990
Divaldo Pereira Franco concede entrevista de 20 minutos à Rádio Universitária de San Juan, em Porto Rico.
Dia 03 de 1955
Desencarna Camilo Rodrigues Chaves, Presidente da União Espírita Mineira. Nascido em Campo Belo da Prata, hoje Campina Verde, no Triângulo Mineiro, a 28 de julho de 1884.
Dia 03 de 1982
Divaldo Pereira Franco concede entrevista de 2 horas à Rádio Cadena Az... Saiba mais...