Eutanásia: abrevie esta ideia

Muitas pessoas quando se deparam com um enfermo em estado incurável, possuem a mesma sensação, se questionando: “o que posso fazer para abreviar este sofrimento?”.

É neste momento que em diversos casos ocorre a prática da eutanásia.

O relatório do novo Código Penal (PLS 236/2012) manteve a eutanásia como crime de homicídio, dificultando a progressão de regime.

Mas nós devemos julgar alguém por cometer esta decisão?

Censurar ou fazer algum julgamento não cabe a nós. Para isso, existe a lei de consciência que é implacável. Aquele que pratica ou solicita a realização da eutanásia será avaliado pela “Contabilidade Divina” que tudo leva em conta, relevando seus agravantes e atenuantes.

A escolha certa a se fazer é se preparar adequadamente para a possibilidade de virmos a ter familiares com doenças terminais, não obtendo melhoras pela medicina convencional.

O comunicador Jether Jacomini explica como agir nestes casos: “Oferecer toda a solidariedade presencial ao doente em si e à família envolvida, num primeiro momento, pensando mesmo nos aspectos práticos necessários dessa hora. Num segundo tempo, o auxílio fraternal através do acolhimento emocional aos familiares e ao doente”.
Diante do desespero, coloquemos em prática a instrução (vigiai) e o equilíbrio (orai), nos esforçando para entender o sentido deste acontecimento e para absorver o apoio enviado pelos Bons Espíritos, que nunca nos falta.

Na obra “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, capítulo V, ítem 27, a questão da eutanásia é abordada com a seguinte questão:
“Deve alguém por termo às provas do seu próximo quando o possa, ou deve, para respeitar os desígnios de Deus, deixar que sigam seu curso? – Pensam alguns que, estando-se na Terra para expiar, cumpre que as provas sigam seu curso. Outros há, mesmo, que vão até ao ponto de julgar que, não só nada devem fazer para as atenuar, mas que, ao contrário, devem contribuir para que elas sejam mais proveitosas, tornando-as mais vivas. Grande erro… Conheçais esse curso?… Pode, portanto, sem receio, empregar todos os esforços por atenuar o amargor da expiação, certo, porém, de que só a Deus cabe detê-la ou prolongá-la, conforme julgar conveniente”.
Desencarnando após um estado terminal ou não, os nossos entes queridos que partiram para o outro plano, sempre estão em nossa lembrança e recordação. Façamos do Dia de Finados, 02 de novembro, uma oportunidade ainda maior de homenageá-los com nossas melhores vibrações.

“Devemos oferecer nossas vibrações no sentido da compreensão pelo doente do estado que está passando e deixando para Deus “o desligamento definitivo” mesmo que a vida esteja sendo mantida artificialmente através de máquinas”, complementa Jether Jacomini.
Dica da Rádio Boa Nova

O livro “Matando a Morte” de Agnaldo Cardoso nos mostra que a única separação a qual a morte nos proporciona é a separação física de nossos entes queridos. Adquira esta obra no site da Mundo Maior Editora.

“Como o espiritismo vê a eutanásia?” Esta pergunta é respondida no quadro Sem Dúvida da TV Mundo Maior (http://www.youtube.com/watch?v=iAT_uPbKud4)


Fonte: RBN



24/10/2013

A+ | A- | Notícia Anterior | Posterior

Datas Importantes do Espiritismo

JUNHO

Dia 01 de 1885
Nasce Hildebrando César de Souza Araújo, em Imbituva, Paraná. Desencarna a 15 de setembro de 1948.
Dia 01 de 1961
Fundada a Creche Josefina Rocha, Departamento da Federação Espírita do Paraná. Atual denominação Centro de Educação Infantil Josefina Rocha.
Dia 02 de 1926
Nasce em Pedreiras, MA, o trabalhador espírita Antenor de Lima Costa. Desencarna em Guarulhos, SP, em 1989.
Dia 02 de 1978
Em Lisboa, Portugal, desencarna José Francisco Cabrita, da Federação Espírita Portuguesa. Nasce na Vila de Lagos, Algarve, Portugal, em 16 de setembro de 1892.
Dia 02 de 1990
Primeira palestra de Divaldo Pereira Franco, na República Checa, em Praga.
Dia 02 de 1997
Divaldo Pereira Franco recebe o título de cidadão honorário de São Bernardo do Campo, São Paulo.
Dia 03 de 1925
Em Juvisy, França, desencarna o médium, astrônomo, escritor e pesquisador espírita Camille Flammarion. Nasce em Montigny-le-Roy, Alto Marne, França, em 26 de fevereiro de 1842.
Dia 03 de 1987
Primeira entrevista de Divaldo Pereira Franco à cadeia de rádio Voz da América, em Washington, EUA.
Dia 03 de 1993
Primeira palestra de Divaldo Pereira Franco na ONU, Departamento de Viena, Áustria.
Dia 03 de 1993
Primeira palestra de... Saiba mais...