A+ | A- | Imprimir | Ouça a MSG | Ant | Post

Caridade que anuncia os próprios méritos é serviço ameaçado pela vaidade.

Caridade que auxilia para furtar-se às obrigações do trabalho é inclinação à preguiça.

Caridade que se expressa para dominar o pensamento e a conduta dos outros é tirania de espírito.

Caridade que ampara com o objetivo de mostrar-se superior é fruto isolado em espinheiro do orgulho.

Caridade que pede remuneração é fonte poluída pelo fel da exigência.

Caridade que dá para receber é bondade com propósitos subalternos.

Caridade limitada aos familiares e amigos é tisnada de paixão.

Caridade que socorre e não perdoa é uma porta de ouro para a introdução à crueldade.

Caridade com repetidas lamentações é caminho para o desânimo.

Caridade que beneficia desesperando é inquietação e impaciência.

A caridade legítima jamais aparece concorrendo aos tributos da gratidão, nunca reclama, não se ensoberbece, não persegue, não se lastima, não odeia e nunca desencoraja a ninguém.

Se desejamos caminhar em companhia da divina virtude, cultivemo-la, em silêncio, no coração, à maneira do Herói do Amor Infinito que, para revelar-nos a caridade pura, entregou-se, confiante, à Vontade de Deus, pela morte na cruz.


Por: Emmanuel, Do livro: Indulgência, Médium: Francisco Cândido Xavier


Leia Também:

Fora da Caridade não há Salvação?: por Alkindar de Oliveira
Caridade no Lar: por Camilo Chaves
Caridade Essencial: por Emmanuel
Caridade Cristã: por Idalina
Caridade, A Meta!: por Joanna de Ângelis

Avalie Esssa MSG

1 Voto(s) 0 Voto(s)

Comentários